Francisco Martins esteve presente no Lisbon Mobi Summit reclamando mais investimento na mobilidade

De Bragança a Lisboa são nove horas de distância….a canção dos Xutos e Pontapés não deixa ninguém indiferente atravessando, inclusivamente, gerações. E de Vila Real de Santo António a Sagres? As duas estão separadas por aproximadamente 160 km e para chegar da ponta mais a oeste do Algarve à ponta este são necessárias duas horas de viagem. Mas poderiam ser menos se o Algarve estivesse dotado de uma boa rede de transportes alternativos, o que não se verifica. As pessoas têm, na sua maioria, de utilizar o carro próprio para trabalhar, levar os filhos à escola ou realizar outras tarefas. As acusações partiram do presidente da Câmara Municipal de Lagoa, o único autarca do Algarve convidado a participar no Lisbon MOBI Summit que decorreu entre 13 e 16 de Setembro. Francisco Martins falava no âmbito do workshop sobre “Mobilidade Local, Visão Global” acrescentando “No Algarve estamos obrigatoriamente condenados ao transporte próprio”, “não temos efetiva alternativa que não seja o nosso próprio carro”. adiantou Francisco Martins. “Muito do que ouvi aqui é para a realidade de Lisboa”, disse o autarca. “Acontece que quando vão ao Algarve no verão, as pessoas que moram na capital vão encontrar uma realidade diferente.” E se, em Lisboa, o transporte público é uma alternativa amiga do ambiente e da economia familiar, esse transforma-se num panorama-miragem se estivermos a falar do extremo sul do país. “O Algarve tem, de Sagres e Vila Real de Santo António, sensivelmente 160 quilómetros. Se quiser deslocar-me entre o eixo económico principal da região, situado entre Portimão e Faro para percorrer os 60 quilómetros que distam entre si, de comboio ou de autocarro, isso tomar-me-á duas horas; de carro, pela EN 125, hora e meia”. Estes são, para o autarca, “constrangimentos” decorrentes “de um desinvestimento que foi feito ao longo de muitos e muitos anos”.
“Ainda estamos muito longe da realidade de que estamos aqui a falar”, referiu ainda Francisco Martins, recordando o projeto MOBI.E, uma rede de carregamento inteligente existente em algumas cidades piloto e que utiliza energia elétrica proveniente essencialmente de fontes renováveis para o abastecimento de veículos elétricos em qualquer ponto da rede nacional. “O projeto começou com a intenção de ter dois carregadores por concelho, depois passou para um e hoje não há nenhum”. Francisco Martins apela por isso à classe política que olhe para resto do mapa no que toca ao tema da mobilidade.
O edil mencionou ainda a importância de um maior investimento nesta área numa região que, para além de acolher dois milhões de pessoas no verão (superando largamente o seu número de habitantes: os 450 mil), “faz fronteira com Espanha, o que lhe garante uma proximidade extraordinária com a Andaluzia.” E este é, para o autarca, um ponto atrativo para “empresas que estão á procura do seu cliente” e que poderão passar a encarar o Algarve “como um importante fator de investimento”
O evento constituirá um momento de reflexão em torno de uma nova cultura de mobilidade e abordará assuntos como a automação, a eletrificação e a conectividade da indústria da mobilidade: dos carros elétricos às redes inteligentes, da gestão do tráfego nas cidades às viagens partilhadas, das  viaturas autónomas aos jogos de realidade virtual, passando pela descarbonização do sistema de transportes.

Author Avatar

About Author

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.